sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Capítulo 4!

Tocou-me no ombro e eu olhei para trás para ver quem era e lá estava ele como da primeira vez, com aqueles grandes, castanhos e hipnotizantes olhos. Era ele, somente ele e estava ali. Olhava-me como se pedisse desculpas. Desculpas?! Mas era eu quem devia pedir desculpas, eu! E não ele! Não disse nada e voltei a olhar para o mar. Não sabia o que lhe dizer. Ele também não disse nada, sentou-se ao meu lado e ficamos assim durante algum tempo, sem nada dizer. Depois de alguns minutos ele resolveu quebrar o silêncio existente entre nós:
- Desculpa! – disse-me continuando a olhar para as ondas que morriam na areia. Fiquei confusa mas respondi-lhe:
- Desculpa?! Mas tu não fizeste nada! Se há aqui alguém que deve pedir desculpas, esse alguém sou eu! – ele olhou-me com ternura o que me fez derreter. Ele estava a ser um querido comigo e eu tinha-o tratado mal, não a ele propriamente mas sentia que o tinha magoado e não sei porquê.
- Eu já sei que não foste tu quem pediu o meu número. – ele disse e olhou-me. Fiz sinal para que continua-se – a Mar contou-me tudo quando tu saíste a correr do Starbucks. Eu gostava de te poder fazer uma pergunta.
- Então faz – incentivei-o.
- Porque é que reagiste daquela maneira quando a Mar te deu o meu número?
- Sinceramente, eu não sei. – respondi-lhe – também te posso fazer uma pergunta?
- Claro – respondeu-me curioso.
- Porque é que vieste atrás de mim? – olhou-me e um sorriso lindo nasceu nos seus lábios.
- Sinceramente, eu não sei. – respondeu-me.
Começamo-nos a rir das nossas próprias respostas. Ficamos a falar durante horas, ali sentados na areia. Estava realmente a divertir-me com ele e todas as perguntas que tinha na minha cabeça se afastaram. Fizemos imensas perguntas um ao outro para nos conhecermos melhor.
- Bem já está a ficar tarde, talvez seja melhor irmos andando. – disse-lhe.
- Realmente já é tarde. Estava tão bem aqui contigo que nem dei pelo tempo passar. – corei quando ele disse isto e ele sorriu-me. Começamos a andar até ao parque de estacionamento do Starbucks. Quando lá chegamos reparamos que só estava lá o carro dele, o que queria dizer que o resto da banda já tinha ido embora e a Mar também.
- Bem parece que o pessoal já foi embora. – disse-me
- É, parece que sim. Bem, eu vou apanhar um táxi. – informei-o.
- Nem penses. Eu levo-te a casa.- disse-me, metendo-se à minha frente, interrompendo dessa maneira o meu trajecto.
- Eu não quero dar trabalho Zayn.
- Não dás trabalho nenhum. É um prazer estar contigo. – disse-me e mais uma vez as minhas bochechas ficaram com uma cor rosada.
- Tu deves adorar ver-me corar Zayn Malik.
- Não posso mentir. Tu és linda mas quando estás envergonhada ficas ainda mais.
- ZAYN! - como é que ele consegue ser tão querido, ao ponto de me deixar toda derretida com umas simples palavras.
- Okay, Okay. Vá, entra no carro que eu levo-te a casa.
Entrei no carro e fui dando-lhe as indicações da morada de minha casa. Passa-mos a caminho a falar até das coisas mais parvas que possas imaginar, o que proporcionou grandes gargalhadas. E as gargalhadas dele?! OMG, aquelas gargalhadas, deixavam-me com um sorriso parvo na cara. Pouco tempo depois chegamos a minha casa, desejei que aquele momento se prolonga-se por mais alguns minutos ou simplesmente segundos.
- Bem parece que estás entregue! - afirmou ele.
- É, parece que sim. - confirmei
- Já que não queres o meu número, posso ficar com o teu? - fiquei admirada com a sua confissão.
- Bem… já sabes onde é que eu moro, não achas isso um bocado perigoso? - questionei-o num tom de brincadeira.
- Parece que alguém está com medo que o lobo mau apareça no seu quarto durante a noite.
- Hum… depende de quem for o lobo mau…. - disse-lhe provocando-o.
- E se o lobo mau fosse eu?
- Então nesse caso era melhor pôr uma armadilha bem grande á porta de casa. - respondi-lhe seguindo-se uma grande gargalhada. Olhou-me como quem não percebia a minha reacção. - Estava a brincar, okay? - disse-lhe um pouco preocupada com o facto de ele poder ter ficado chateado comigo.
- Ahahah - riu-se ele.
- O que é que tem assim tanta piada?
- A tua cara de preocupação.- admitiu.
- Preocupação? Eu não estava preocupada. - defendi-me. - Mais um menos um, não ia fazer grande diferença. - olhei-o, e desta vez era ele quem estava com uma cara de preocupado. Não me contive e…- Ahahah. Devias ver a tua cara!
- Tu é que me puseste assim. - fiquei sem reacção, nunca pensei que ele me deixa-se assim. O que está a acontecer comigo?
- É melhor eu ir embora. - saí do carro apressadamente, não lhe dando tempo para reagir e dirigi-me para casa.
Beatriz Off

Harry On
Depois de estarmos mais um pouco no Starbucks á conversa com aquela Mariana, fomos para casa. Mal cheguei fui para o meu quarto.
- Aquela rapariga é insuportável. – desabafei em voz alta.
- Provavelmente ela acha o mesmo em relação a ti – disse o Louis invadindo o meu quarto sem sequer pedir autorização.
- Sabes que é feio ouvir atrás das portas? – perguntei-lhe.
- Eu não tive que ouvir atrás das portas, tu falaste suficientemente alto – defendeu-se ele.
Ficamos a falar por mais um bocado até que eu decidi ligar……
Harry Off

Mariana On
Passei a tarde com o Liam, o Harry, o Niall e o Louis. Foi uma tarde bem passada tirando a parte de estar a respirar o mesmo ar que o Harry. Uma onda de fúria invadia o meu corpo sempre que o meu olhar se encontrava com o dele. Não suporto que as pessoas não digam o que acham de mim na minha cara, e isso foi definitivamente o que ele fez. Provavelmente ele acha de mim o mesmo que eu acho dele, mas isso não me importa.
Por outro lado gostei bastante de conhecer o Niall, ele é super engraçado e fofinho. Aqueles olhos azuis fazem qualquer rapariga suspirar e além disso temos uma coisa em comum: AMA-MOS comer.
Era quase hora de jantar quando a Bia chegou a casa, estava super curiosa para saber o que se tinha passado. Pelo seu sorriso, a fúria que sentia por mim já lhe tinha passado.
- Parece que a tua tarde correu muito bem. – brinquei.
- A tua também não deve ter corrido muito mal – disse-me.
- Tirando a parte de ter que suportar aquele Harry, não, não correu muito mal – quando ela ia a falar interrompia – Mas isso não interessa, até porque tu deves ter coisas muito mais interessantes para me contar.
Ela ia começar a contar-me quando o meu telemóvel toca. Fui ver e era o…


Esperamos que gostem tanto de ler este capítulo como nós gostamos do escrever.
Beatriz & Mariana

10 comentários:

  1. Amei! Têm de postar muuuiiitoo rápido! Amo a vossa fic! Se quiserem, vão ao meu blog!

    ResponderEliminar
  2. claro. irei divulgar. aliás, adoro o blogue e a maneira como escrevem. escrevem muito bem :) sigo.

    ResponderEliminar
  3. Adoroo, estou ansiosa de ver a continuaçao.
    Claro, eu divulgo o vosso blog :)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Quando pões o próximo capitulo ?
    - amei *-*

    ResponderEliminar